A procura por aulas de culinária como atividades de turismo e entretenimento cresce a cada temporada. É importante que o profissional que deseja oferecer este tipo de experiência gastronômica avalie vários aspectos enquanto desenvolve o seu projeto. Neste post falaremos sobre dez itens essenciais para montar um curso de culinária voltadas principalmente para o turismo gastronômico e entretenimento.

Download [ Checklist ] – Criando a sua aula de culinária

utensílios importantes para montar seu curso de culinária
© lifeforstock via Freepik

10 itens essenciais para montar um curso de culinária para turismo e entretenimento

1. Pesquisa de Mercado

É importante realizar uma pesquisa de mercado antes de iniciar qualquer atividade. Os resultados desta pesquisa ajudam a identificar oportunidades e desafios para o seu negócio além de tendências do mercado.

Na hora de conduzir sua pesquisa de mercado, considere as questões abaixo:

  • Oferta e Demanda – Já existem aulas de culinária na região que você planeja atuar? Qual é a procura para este tipo de experiência?
  • Concorrência – Se a resposta acima for sim, quantos negócios existem? Qual o modelo destes cursos? Quais as principais características desses negócios e como eles se diferenciam uns dos outros?
  • Público-Alvo – Quem participa dessas aulas? O que essas pessoas buscam? Qual a principal motivação?
  • Preço – Quanto que este público está disposto a pagar pelas aulas? Qual o preço praticado pelos concorrentes?

2. Público-Alvo e Persona

Público-Alvo

Após analisar o mercado, você terá mais claro quem participa destas atividades e agora chegou a hora de definir o seu público-alvo. Por definição, público-alvo representa o grupo de pessoas a quem você direciona seus produtos, serviços e campanhas de marketing. Características do público-alvo incluem região, faixa etária, sexo, estado civil, renda e preferências.

Supondo que a sua região atraia um grande fluxo de turistas brasileiros e estrangeiros, vamos pensar em alguns exemplos de público-alvo:

  1. Turistas brasileiros, maiores de 18 anos, que gostam de cozinhar e buscam durante uma viagem atividades e experiências relacionadas a entretenimento e gastronomia.
  2. Turistas estrangeiros, acima de 25 anos, língua inglesa, alto poder aquisitivo, querem entender a nossa cultura gastronômica e aprender pratos tradicionais brasileiros.
  3. Entusiastas gastronômicos, não necessariamente turistas, acima de 25 anos, querem aprender receitas diferentes para cozinhar um jantar completo. 
  4. Famílias com crianças, turistas ou não, querem uma atividade diferente para toda a família se divertir junta.

Como pode perceber, dependendo do público-alvo que selecionar, o modelo das suas aulas de culinária, a campanha de marketing e até mesmo o idioma do curso será diferente. 

Leia também: Quem são os viajantes gastronômicos

Persona

Uma vez definido o público-alvo, você pode criar algumas personas.

O conceito de persona é uma ferramenta muito empregada no marketing digital e surgiu como uma maneira de humanizar o seu público para direcionar a sua campanha de marketing de forma mais objetiva. 

Para isso, defina uma pessoa que seria o seu cliente ideal, comece a caracterizá-la com nome, idade e sexo. Considere as suas preferências, necessidades, hábitos e como o seu produto ou serviço serve de solução para o que essa pessoa está buscando.

Exemplo de Persona:

Roberta, 30 anos, solteira, adora experimentar novos pratos e conhecer culturas diferentes, gosta de cozinhar e ter contato com o campo, mas não tem tempo de fazê-lo no dia-a-dia. Quer aproveitar as férias para contrapor a sua rotina estressante e com pouco tempo livre. Busca experiências marcantes e conhecer pessoas com o mesmo perfil que o seu.

E então, qual curso de culinária ela estaria mais interessada? Como você venderia este curso para ela? Essa é a estratégia de criar personas.

3. Estrutura Física

O modelo de aula que você definir provavelmente influenciará a estrutura física necessária para essas aulas e vice-versa.

Se você já tem um espaço para utilizar, então precisará planejar a aula de acordo com este espaço. Falaremos em mais detalhes na sequência.

Em relação a estrutura física, dê preferência para um ambiente ventilado, limpo e com banheiro. O ideal seria que o layout de sua cozinha tenha espaço suficiente para as pessoas observarem o instrutor, interagirem e se movimentarem enquanto cozinham sem riscos de acidentes.

➜ Certifique-se que a estrutura utilizada esteja dentro da legislação local para aulas de culinária incluindo diretrizes de vigilância sanitária.

4. Localização

Uma boa localização é sempre bem-vinda, mas o que é uma boa localização para montar um curso de culinária? 

Hoje em dia, com a popularidade de plataformas como Airbnb, você não precisa concentrar todas as suas fichas em um lugar próximo a hotéis, até por que essa opção pode aumentar alguns custos relevantes, como por exemplo o custo de aluguel. 

O critério para definir o local da sua aula pode variar dependendo do seu público e estilo de aula. Existem aulas de culinária em fazendas com passeios pelas plantações, aulas em centros turísticos, na casa dos anfitriões/cozinheiros e outras localidades. 

É importante avaliar a logística, se existe acesso fácil com transporte público, aplicativos de motoristas ou até mesmo contratar uma van para buscar as pessoas em algum ponto em comum. 

Uma boa ideia no caso de aulas para turistas gastronômicos é levá-los para o mercado local ou feira de rua onde iniciará a primeira parte do seu curso. Neste caso, se o seu espaço for próximo de mercados tradicionais e feiras de rua melhor ainda. 

5. Planejamento da Aula

Quando falamos sobre cursos de culinária para o turismo e entretenimento, existem vários modelos de aula. Quanto mais interativo e mão na massa, melhor! Mas em alguns casos há limitação de espaço. 

O modelo que você escolher tende a estar muito alinhado com a estrutura física, número de alunos por turma e público-alvo. Nossa sugestão é dividir a aula em 4 etapas, assim fica mais fácil desenhar o seu plano de aula.

  • Parte 1 – Introdução
  • Parte 2 – Apresentação dos pratos e ingredientes
  • Parte 3 – Preparo e Elaboração
  • Parte 4 – Degustação

Vamos usar como exemplo um Curso de Culinária para Turistas Estrangeiros. 

Imagine que a aula será para um grupo de 4 estrangeiros, cada um tem espaço de bancada para cortar os ingredientes, mas só existe um fogão. Neste caso, poderíamos ter um modelo onde as entradas, o prato principal e sobremesa são preparados simultaneamente por todos. 

Parte 1 – Introdução: 

No início da aula, o instrutor se apresenta junto com o grupo, fala um pouco sobre a gastronomia do país, as diferenças de cada região e o que é típico daquele destino. 

Parte 2 – Apresentação: 

Depois ele apresenta os pratos que serão elaborados e o contexto histórico destes pratos. Explica todos os ingredientes que serão utilizados e comenta algumas substituições possíveis para que os viajantes estrangeiros possam replicar a receita em suas casas.  

Depois, é hora da parte mais técnica. O instrutor demonstra brevemente como fazer algo mais específico da elaboração dos pratos e dá dicas de segurança. 

Parte 3 – Elaboração:

Hora da mão na massa! Durante a aula, cada aluno faz um pouco de cada atividade enquanto o instrutor coordena a elaboração da receita. 

Parte 4 – Degustação:

Por fim, todos sentam juntos e compartilham as refeições como uma grande família enquanto conversam sobre a experiência e outros temas de interesse. 

6. Definição de cardápio

As opções de cardápio são praticamente infinitas, pois depende da identidade gastronômica que deseja representar nas aulas. Um ponto importante em relação ao cardápio é ter transparência nos termos de flexibilidade com os ingredientes e deixar claro se a sua aula acomoda vegetarianos, veganos e pessoas com restrições alérgicas. 

Se não for possível detalhar estes pontos no seu site ou campanha de marketing, coloque uma mensagem dizendo se existe a flexibilidade ou não e deixe um contato para esclarecer dúvidas antes de efetivar a inscrição. 

Desta forma, você evita que pessoas com restrições alimentares se inscrevam em sua aula sem ter o conhecimento de que não podem comer o prato que você ensina. Pelo outro lado, se você trabalhar com flexibilidade de ingredientes e adaptações, com este canal de contato você poderá adaptar a aula e se preparar com antecedência. 

Não se esqueça que a apresentação dos pratos é uma maneira excelente de representar a cultura gastronômica da região. Tente representar as tradições locais, hábitos alimentares, como os pratos são servidos, tipos de louças e decoração. 

➜ A procura por pratos vegetarianos e veganos tem aumentado muito. Já pensou em selecionar aquelas receitas tradicionais vegetarianas e criar aulas somente com pratos típicos que são tradicionalmente vegetarianos? 

7. Equipamentos e Utensílios

Tudo o que falamos até agora está muito interligado e não será diferente com os equipamentos e acessórios. Dependendo do modelo de sua aula, você precisará de mais ou de menos equipamentos e utensílios. 

Se os alunos tiverem uma participação mais ativa na elaboração dos pratos, é importante ter potes, tábuas, facas e panelas disponíveis para cada um. Em um modelo mais demonstrativo, onde o instrutor executa a maior parte da receita, são necessários menos utensílios para cortes e preparos.

8. Planejamento Financeiro

O planejamento financeiro é essencial para a sustentabilidade de qualquer negócio, incluindo para cursos de culinária. 

Por mais que a gente trabalhe para tornar o turismo gastronômico mais acessível e dar opções à todos que buscam este tipo de experiência, qualquer negócio exige investimento e possui um custo de operação que precisam ser pagos com a receita de produtos e serviços. 

Para montar a sua aula recomendamos definir dois tipos de plano financeiro: investimento inicial e custo de operação.

Investimento Inicial

Todos os gastos necessários para montar a sua aula incluindo compra de equipamentos e utensílios, reforma do espaço, criação de marca, formalização da empresa, etc. 

Custo Operacional

Custo de operação inclui tudo o que você precisa gastar para que o negócio funcione no dia a dia. As principais despesas envolvem o aluguel do espaço, contas de eletricidade, produtos de limpeza, ingredientes e despesas com marketing e publicidade.

O planejamento financeiro quando acompanhado de maneira correta te ajudará a calcular o ponto de equilíbrio do negócio que significa o momento em que as receitas do negócio cobrem o investimento inicial mais os custos de operação do período. 

➜ O ponto de equilíbrio é um excelente índice que define qual o preço e volume mínimo que você precisa para cobrir todas as despesas fixas e variáveis do seu negócio. Com esta análise você define o mínimo de receita necessária para gerar lucro e evitar prejuízos.

9. Marketing e Vendas

Vamos supor que você decidiu montar um curso de culinária dentro da sua própria casa e já tem tudo estruturado e definido. Qual o próximo passo? 

Se você pensou em atrair clientes e vender, acertou em cheio. Precisamos agora definir uma estratégia de preço e publicidade, atrair o seu público-alvo e converter este público em clientes reais. 

Nos dias de hoje, a internet é o melhor canal para começar a divulgar o seu negócio e atrair seu público-alvo, mas para isso é preciso planejar uma estratégia de marketing e utilizar as ferramentas disponíveis de acordo. Inclusive existem plataformas específicas para a venda de experiências turísticas, inclusive aulas de culinária. 

10.  Relacionamento com o cliente

Sua aula foi um sucesso! Parabéns! Mas e agora? Já ouviu falar sobre estratégia pós-venda? Pense no seu cliente, o que acontece depois que ele sai da sua aula? 

Trabalhe com feedbacks para que você possa continuar se aprimorando, peça para que ele faça avaliações online, implemente descontos por indicação. Existem muitas estratégias que te ajudarão a manter uma boa reputação online e clientes satisfeitos. 

Uma excelente dica é enviar a receita dos pratos com algumas informações extras por e-mail e aproveitar para pedir uma pesquisa de satisfação por e-mail e avaliação nas redes sociais e plataformas existentes: TripAdvisor, Facebook, Google, etc.

Leia também: Como as avaliações negativas podem ajudar a melhorar o seu negócio.

Comece agora mesmo a montar o seu curso de culinária

Para montar um curso de culinária é preciso muito mais do que saber cozinhar, exige estudo de mercado e muito planejamento.

As pessoas querem experiências que as tirem de sua rotina, prepare uma aula que vá além dos sabores. A experiência gastronômica é capaz de ativar todos os nossos sentidos. Ensine técnicas, conte histórias, fale dos ingredientes, deixe as pessoas se divertirem como se estivessem em uma viagem às origens dos pratos.

Clique e receba grátis um checklist para te ajudar a criar seu curso de culinária
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments