A Estrada Real possui mais de 1.600km de extensão, atualmente é a maior rota turística do Brasil. São quatro caminhos distintos que abrangem ao menos 160 municípios pelos estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo.

Percorrer a Estrada Real foi uma das experiências de viagem mais completas que já tive no Brasil. Uma jornada cheia de história e “causos locais”, belezas naturais, comida boa, pinturas rupestres, hospitalidade incrível e até um passaporte especial para os viajantes que exploram a região.

Neste artigo, compartilho todas as dicas pra você começar a planejar sua viagem pelas memórias de um período que ficou marcado na história do Brasil.

Como tudo começou…

Na época do Brasil Colônia, com a descoberta do ouro no século XVII, a coroa Portuguesa ordenou a construção de uma estrada obrigatória para o transporte de mercadorias entre as Minas Gerais e o porto de Paraty. De Paraty, as mercadorias, principalmente o ouro, seguiam por mar até o porto do Rio de Janeiro antes de partirem em direção à Europa.

O território brasileiro já possuía várias trilhas que eram utilizadas pelos povos indígenas muito antes da colonização Portuguesa. Com a construção da Estrada Real, mais caminhos foram abertos e passaram a ser utilizados também pelos tropeiros, comerciantes que integravam a região sul e sudeste do Brasil.

Leia também: A história do Feijão Tropeiro, o prato nômade do Brasil

a vista do município de catas altas em minas gerais com casas históricas e natureza
Catas Altas – Minas Gerais

A Estrada Real como Rota Turística

A revitalização dos caminhos da Estrada Real como rota turística começou há aproximadamente 20 anos. De acordo com o Instituto Estrada Real, o projeto é uma maneira de preservar o patrimônio cultural imaterial e promover o desenvolvimento da região. Hoje, a rota incorpora diferentes tipos de turismo como o turismo gastronômico, cultural, religioso, ecoturismo e aventura.

Os Caminhos da Estrada Real

Os principais caminhos da Estrada Real são: o Caminho Velho, Caminho Novo, Caminho dos Diamantes e o Caminho do Sabarabuçu. Mas também existem outras rotas temáticas, como o Caminho Religioso.

mapa do caminho velho da estrada real

Caminho Velho

Foi o primeiro trajeto oficial construído para ligar a cidade de Ouro Preto ao porto de Paraty. O Caminho Velho tem aproximadamente 700 km de extensão, sendo a maior parte em estrada de terra.

Além de Ouro Preto, o roteiro pelo Caminho Velho inclui cidades e municípios como Tiradentes, Congonhas, São João del-Rei, São Tomé das Letras, Aiuruoca, São Lourenço, Caxambu, Aparecida e Paraty.

mapa do caminho novo da estrada real

Caminho Novo

O Caminho Novo foi criado como solução para a insegurança que ameaçava a rota marítima de Paraty ao porto do Rio de Janeiro e para evitar os difíceis trajetos impostos pela Serra da Mantiqueira. Com este novo caminho, as mercadorias seguiam por terra de Ouro Preto até o Rio de Janeiro em um percurso de aproximadamente 500 km, mais curto e atualmente mais asfaltado que o Caminho Velho.

Pelo Caminho Novo, você passará por Ouro Preto, Itatiaia, Juiz de Fora, Petrópolis e Rio de Janeiro.

mapa do caminho dos diamantes da estrada real

Caminho dos Diamantes

A descoberta de diamantes na região do Serro, localizada ao norte de Ouro Preto, resultou na extensão do Caminho Velho que passou a conectar Ouro Preto à atual cidade de Diamantina. O Caminho dos Diamantes possui 395 km de extensão e ganha destaque pela natureza exuberante, cidades históricas e excelente gastronomia.

Os principais municípios e povoados incluem Diamantina, São Gonçalo do Rio das Pedras, Milho Verde, Serro, Conceição do Mato Dentro, Ipoema, Cocais, Catas Altas, Mariana e Ouro Preto.

mapa do caminho do sabarabuçu da estrada real

Caminho do Sabarabuçu

A contínua busca por jazidas de ouro levou a criação do último caminho da nossa lista, o Caminho do Sabarabuçu. Rumo à Serra da Piedade, que em vez de ouro havia minério de ferro, o Caminho do Sabarabuçu começa em Cocais e termina em Glaura, percorrendo 160 km.

Este é o trecho mais curto e próximo de Belo Horizonte, a capital de Minas Gerais. Passa por Caeté, Sabará, e pela icônica cidade de Itabirito, uma parada gastronômica obrigatória para provar o famoso Pastel de Angu de Itabirito.

Como viajar pela Estrada Real – Dicas de Planejamento

O melhor de tudo é que você pode se aventurar pelos caminhos de diferentes maneiras. A flexibilidade é uma das características mais fascinantes dessa rota turística. Afinal, dá para planejar tudo de acordo com a sua preferência e tempo disponível.

Meios de Transporte

Para escolher o meio de transporte, depende muito do estilo do viajante. Os principais meios de locomoção incluem carro, moto, cavalo, bicicleta e até mesmo a pé. 

O principal é estar preparado para estradas de terra. Nós fizemos o Caminho dos Diamantes com um carro SUV (alugado aqui), não era 4×4, e no geral nos saímos muito bem. Mas, em situações de chuva, alguns trechos poderiam ter sido mais desafiadores.

Se a sua ideia for viajar de bike ou a pé, fique atento na relação de subidas e descidas em cada sentido do trajeto. Por exemplo, o caminho dos Diamantes exige menos esforço físico de Diamantina para Ouro Preto do que ao contrário.

Totens

Viajar pela Estrada Real não é o mesmo que dirigir em rodovias e estradas asfaltadas de uma cidade à outra, mas sim percorrer caminhos históricos, de terra, pedra, que muitas vezes parecem não fazer sentido, ao mesmo tempo que você está cercado de natureza e vistas maravilhosas. Para te ajudar a adentrar nessa aventura, existem os Totens da Estrada Real, eles são os melhores indicadores de que você está no caminho certo. 

Na seção de roteiros do site do Instituto Estrada Real, você pode fazer o download de diversos mapas e planilhas contendo informações úteis sobre as estradas, totens, checkpoints, pontos turísticos e mais.

totem da estrada real
Totem da Estrada Real

Coordenadas

É importante ter sempre um mapa da Estrada Real com você, além do mapa offline no celular. Nós utilizamos o app de mapas para trilhas wikiloc e o maps.me e funcionaram super bem, inclusive para encontrar as cachoeiras da região. No maps.me, escolha a rota da bicicleta, mesmo que você esteja de carro, assim é mais garantido de seguir o caminho correto em vez de terminar em grandes estradas pavimentadas.

Dica: Se a sua meta for explorar todas as cachoeiras pelo caminho, vale a pena conferir o app Cachoeiras da Estrada Real.  

Onde se hospedar

Todos os caminhos são cheios de pousadas aconchegantes, urbanas e rurais. Também é possível acampar ou se hospedar nas casas de moradores locais.

Você pode reservar as hospedagens antecipadamente pela internet, mas se quiser um plano de viagem mais flexível, principalmente nas cidades menores, dá pra procurar direto no destino.

Opções de Hotéis e Pousadas

Clique na cidade para ver as opções disponíveis e preços de diária.

Melhor época para ir

Na teoria, é possível fazer os caminhos em qualquer época do ano, mas o melhor é evitar a época de chuva – Dezembro a Março. Desta forma você consegue apreciar a natureza por todo o caminho sem se preocupar com terra molhada, lama, e possíveis riscos na cabeceira das cachoeiras. 

Outra dica para planejar quando ir é pesquisar o calendário de festivais locais. Existem festivais religiosos, de gastronomia, música, arte, etc. Desta forma, por mais que você conheça o Brasil, irá sempre aprender algo novo sobre a cultura local.

O que te espera pelos caminhos

A Estrada Real é a maior rota turística do Brasil e a variedade de atrativos é imensa. 

Tem para todos os gostos, paisagens bucólicas, gastronomia típica em restaurantes tradicionais e mercados locais, museus, igrejas, cachoeiras lindas – grandes e pequenas, trilhas, parques nacionais e estaduais, cavernas, pinturas rupestre, arquitetura barroca com suas esculturas, alambiques, cafezais e o melhor, a hospitalidade local.

A nossa experiência com a Estrada Real foi incrível e na galeria abaixo você pode ver um pouco do que te espera por lá!

Retire o seu passaporte da Estrada Real 

Aqui vai uma dica muito legal para quem pretende viajar pela Estrada Real. O Instituto oferece um passaporte exclusivo para quem pretender explorar a rota turística, com ele você pode carimbar sua passagem pelas principais cidades ao longo dos caminhos. 

Pela nossa experiência, a viagem fica bem mais interessante com o passaporte, a tarefa de conseguir o carimbo vira parte da aventura, da busca pelos checkpoints, gera interação com as pessoas locais, além de ser um ótimo souvenir.

Para retirar o seu passaporte, é preciso primeiro preencher um formulário online na página oficial do Instituto e na retirada levar 1kg de alimento ou 1 agasalho para doação junto com o e-mail de confirmação que você receberá após completar o formulário. As cidades que emitem o passaporte são: Diamantina, Tiradentes, Ouro Preto, Cocais, Glaura, Petrópolis e Paraty.

Cada carimbo é representado por um ponto turístico da cidade e conta também como checkpoint para retirar o seu certificado de viajante que falamos a seguir.

Não deixe de pegar o certificado do viajante

Os carimbos no passaporte dão direito a um Certificado de Conclusão do Caminho. Para obter o certificado é preciso um número mínimo de carimbos que varia de acordo com o caminho percorrido.

  • Caminho Velho – 14 carimbos
  • Caminho Novo – 8 carimbos
  • Caminho dos Diamantes – 10 carimbos
  • Caminho do Sabarabuçu – 4 caminhos

Nós já conseguimos o certificado do Caminho dos Diamantes, e você, tá esperando o que?

Quer saber mais? Assista este documentário abaixo que selecionamos pra você.


PLANEJE SUA PRÓXIMA VIAGEM

Nota: Alguns links podem ser links afiliados. Se você comprar produtos através deles, nós receberemos uma pequena comissão que apoiará a manutenção do site Food’n Road sem nenhum custo adicional para você.

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments