Qualquer viagem já começa muito antes do embarque. Para planejar uma viagem internacional, nós trabalhamos sempre com quatro etapas principais:

  1. Definição
  2. Pesquisa
  3. Organização
  4. Realização

A primeira etapa é a base de tudo, você só consegue planejar uma viagem quando tiver claro o propósito da viagem, o destino, a duração e o quanto quer gastar. Praticamente o pontapé inicial da sua viagem.

A segunda etapa, já com essas definições, é o momento de pesquisar muito e se informar sobre os destinos, recursos e roteiros. A terceira etapa é organizar toda essa informação e desenhar o seu itinerário detalhado. Já a última fase, consiste em garantir toda a documentação em mãos, arrumar as malas e partir!

Para te ajudar nessa jornada, fizemos uma lista com 20 dicas de como planejar uma viagem, confira abaixo.

20 dicas essenciais de como planejar uma viagem internacional

1. Propósito da viagem

Antes de começar a planejar uma viagem, é importante que você reflita sobre o propósito desta viagem. Quais experiências gostaria de ter? O que espera desta viagem? É uma viagem solo, com amigos, casal, família?

A partir daqui, você já pode começar a listar alguns destinos que estejam alinhados com o propósito da viagem.

2. Época do Ano

Defina a época do ano em que pretende viajar e considere as condições climáticas. 

Por exemplo, se for viajar para o Sudeste Asiático é importante pesquisar sobre a temporada de monções.

Outra dica é evitar o pico de alta temporada, pois além de contribuir para um turismo massivo, os preços são mais elevados e encontrará menos disponibilidade em acomodações, passeios e restaurantes.

3. Orçamento da viagem e gastos diários

É essencial que você tenha um orçamento. Considere um limite de gastos para não perder o controle das finanças.

Pergunta-chave: Quanto que você está disposto a gastar nesta viagem?

Faça o seguinte exercício:

Defina o quanto você quer gastar no total, simule o preço da passagem aérea e seguro viagem, subtraia do orçamento total. Divida esse valor pelos dias da sua viagem, o resultado é o seu limite de gastos diário. Este valor representa o quanto você terá disponível para acomodação, refeições, passeios, entretenimento e outras atividades.

Ou seja, se eu tenho R$ 5.000 para planejar uma viagem, a passagem de ida e volta mais seguro viagem custa R$ 2.500, para uma viagem de 20 dias, meu limite médio diário será de R$ 125 por dia.

Pesquise os preços médios no destino por categoria (acomodação, refeições, passeios) e avalie se condiz com o seu limite de gastos diários. Tenha em mente que se você visitar vários destinos, terá um custo mais elevado com transporte.

Este é um exercício contínuo e deve ser revisado sempre que mudar algum preço e efetuar reservas.

4. Escolha dos destinos

Se ainda não escolheu o seu destino, chegou a hora. 

Uma vez que você tenha claro o propósito da viagem, a duração, a época do ano e o orçamento, fica mais fácil definir os destinos.

Considere estes itens como a primeira etapa para planejar uma viagem, pois essas definições são base para os próximos passos.

5. Passaporte, vistos e outros documentos

Na hora de planejar uma viagem internacional, não deixe de conferir a validade do passaporte e outros requerimentos para obtenção de visto.

Você não conseguirá entrar em outro país se o seu passaporte estiver próximo do vencimento (pelo menos 6 meses). Pesquise na internet quais as exigências para obtenção de visto dos países que pretende visitar assim como a validade. Estes variam muito de país para país.

6. Como levar dinheiro – métodos de pagamento

Algumas pessoas se sentem mais confortáveis com dinheiro em espécie, outras preferem pagar no cartão mesmo com taxas adicionais. Apesar de ser uma escolha pessoal, é importante entender as opções, vantagens e desvantagens de cada uma. As principais formas de levar dinheiro para uma viagem são: espécie, cartão de crédito e cartão pré-pago.

Se a sua conta bancária fica no Brasil atente-se ao IOF (Imposto sobre Operações Financeiras). Gastos no exterior com cartão de crédito incide IOF de 6.38% no valor da compra. Pelo outro lado, se comprar moeda em espécie para levar na viagem, o IOF é de 1.1%. Por isso, caso sinta-se seguro, pode ser vantajoso levar uma quantia maior de dinheiro em espécie. No site do Melhor Câmbio você pode pesquisar cotações e enviar uma proposta para a corretora.

Em geral, verifique com a operadora do cartão de crédito se há impostos ou taxas adicionais quando estiver no exterior e verifique as taxas de retirada no caixa eletrônico no país que você visitar. Não se esqueça de avisar a operadora do cartão de crédito os dias que você estará no exterior.

Com o travel card, você se protege de variação cambial mas paga 6,38% de IOF (Brasil) para carregar o cartão. Atente-se para taxas adicionais, se a moeda do destino for diferente da moeda do cartão (ex. cartão é em EUR e você vai para a Tailândia – THB), você paga um percentual como taxa adicional de conversão em cima do valor de cada compra. Hoje, você encontra muitos bancos e empresas digitais que oferecem ótimas soluções para gastar dinheiro no exterior, como Revolut, N26, Transferwise e outros.

Se precisar enviar dinheiro para o exterior, recomendamos o Transferwise.

7. Passagens Aéreas

As passagens aéreas costumam ser o que mais consome do orçamento de uma viagem internacional. Pesquise bastante e monitore os preços e disponibilidade de voos.

Utilize os sites agregadores como Skyscanner, Momondo, e Google Flights. A maioria deles tem ferramentas de alerta para variações de preço, o que ajuda bastante no monitoramento. Se pesquisar através destes sites, depois que encontrar a melhor oferta você será direcionado para o site oficial da companhia aérea ou agência online. Atente-se às promoções!

Empresas internacionais não costumam parcelar o valor no cartão de crédito. Se optar parcelar em até 10x sem juros, você pode usar plataformas como a Passagens Promo.

8. Montar um roteiro detalhado

Para nós, essa é a parte mais interessante no planejamento de uma viagem, mas também a que mais consome tempo. Se você não gosta ou não tem prática para montar um roteiro e quer garantir a viagem, avalie contratar serviços de criação de roteiros customizados.

Agora, se você quer planejar tudo, já pode esboçar possíveis itinerários. Quais cidades pretende visitar? Quantos dias em cada cidade? O que fazer por lá? O seu voo de partida será no mesmo aeroporto que você chega?

Comece a planejar itinerários que te permitem dar sequência com algumas reservas como por exemplo acomodação, passeios, teatro, experiências gastronômicas, etc.

9. Transporte

Uma vez definido as cidades que pretende visitar, você precisa garantir como chegar lá e entender as opções de transporte para o dia a dia. Existem várias opções e tudo vai depender da sua preferência pessoal em termos de conforto, praticidade e segurança, além do financeiro. O site rome2rio é ótimo para pesquisar as opções de transporte.

Viajar de Avião

Se estiver planejando um itinerário com trajetos longos e pouco tempo disponível, continue pesquisando nos sites de passagem aérea mas, considere também outros meios de transporte. Além de ter uma experiência diferente, você diminui a pegada de carbono da sua viagem.

Viajar de Trem

Nosso favorito! Viajar de trem é muito tranquilo e agrega bastante na experiência da viagem, muitas vezes com belas paisagens no caminho. Praticamente todo país com transporte ferroviário possui um site oficial para pesquisar e comprar passagens de trem.

Viajar de Carro

Se preferir, você pode alugar um carro. Empresas mais consolidadas oferecem a opção de retirar o carro em uma cidade e entregar em outra, o que ajuda muito no planejamento do seu roteiro. Gostamos de pesquisar no Rentcars que é um agregador e comparador de preço para carros de aluguel.

Existe também a plataforma de carona compartilhada chamada BlablaCar com preços mais acessíveis. Na Europa é super utilizado, nós já usamos em Portugal e funcionou muito bem.

Viajar de Ônibus

Ônibus sempre é uma opção de transporte entre cidades e países vizinhos. Existem algumas empresas que ajudam o viajante a comprar bilhetes em outros países. A Busbud é uma boa opção e já cobre várias localidades. Muitas vezes existem empresas locais que oferecem mais opções de acordo com o país, como a Redbus na Índia, Traveloka na Indonésia, etc.

Dica: Na Ásia, qualquer meio de transporte pode ser comprado pelo site da 12go Asia. Na Europa, uma dica adicional é o site Omio.

Transporte pela cidade

Para cidades que possuem metrô, se informe se existe um city pass ou tourist pass. Estes bilhetes normalmente integram metrô, ônibus e tram, tem validade mais longa, passagens a preços reduzidos e descontos para museus e outras atrações turísticas.

Outra opção já muito conhecida são os apps de automóveis particulares como Uber, Cabify, Grab (Ásia), Ola (Índia), Go-Jek (Indonesia). A vantagem do Uber e do Cabify é que eles já são amplamente utilizados em diversos países. Se você já usa o app antes da viagem, ele funcionará automaticamente no seu destino. Se optar por aplicativos locais (Go-Jek, Ola, etc.) pode ser que precise de um número local para ativar a conta ou tente criar sua conta antes da viagem.

10. Reservar Hotéis

E então, que tipo de acomodação você prefere? Existem muitas opções de hospedagem e é legal alinhar a escolha com o seu estilo e o propósito da viagem.

Leia também: Dicas de acomodação e reserva.

Vamos supor que queira aproveitar a viagem para conhecer outros viajantes. Existem muitos hostels com áreas compartilhadas e atividades que integram os hóspedes e contribuem para esse ambiente mais social.

Se quiser uma experiência mais imersiva, você pode optar por alugar um quarto na casa de algum morador local. Quer passar mais tempo com toda a família? Que tal reservar uma casa inteira para vocês com cozinha equipada?. Quarto de hotel é bom para quem busca mais privacidade e comodidade.

Pesquise sobre os bairros, leia as avaliações e faça uma lista com as melhores opções.

11. Armazene arquivos e documentos na nuvem

Na hora de planejar uma viagem, organização é a palavra chave e não posso deixar essas dicas de fora. O melhor a fazer para garantir que tenha tudo em mãos é ter uma conta na nuvem para arquivos e anotações.

Eu utilizo o Google Drive e o Evernote. É lá que eu salvo os tickets, recibos, confirmações de reserva, anotações de roteiros e lugares para visitar. O Trello também é uma boa opção. Mantenha na nuvem uma cópia digital de todos os seus documentos incluindo o passaporte.

Você pode acessar de qualquer lugar do mundo tudo pelo seu celular, tablet e notebook. Outra dica legal para organizar as reservas de viagem é usar o app Tripit.

12. Mapas offline

Mapas são tudo na vida de um viajante! Antecipando nossas dicas de aplicativos, teste o Google Maps e Maps.me. Ambos tem a opção de download do mapa para acesso offline. Você pode marcar os lugares que pretende visitar, os que visitou e gostou, o endereço do seu hotel, etc.

O mapa será de grande ajuda para se situar na cidade e encontrar lugares com mais facilidade.

13. Arrumando a mala

A primeira dica: resista a tentação e leve pouca bagagem. Além de facilitar sua vida entre os trajetos você ainda economiza no despacho da bagagem.

Leve roupa para 10 dias no máximo, se a sua viagem for superior a esse período, lave a roupa durante a viagem. É muito comum encontrar lavanderias pelas cidades, incluindo as de modelo self-service.

Para organizar melhor as roupas e ganhar espaço na mala, nós utilizamos packing cubes, é muito útil e fácil de comprar online.

Outra boa estratégia é o conceito de guarda roupa cápsula. Defina uma paleta de cores e escolha peças que combinem o máximo possível entre si dentro desta paleta.

Ah! Não se esqueça da mochila de ataque, que é a mochila para o dia a dia. Normalmente você pode carregar na cabine do avião uma bagagem (se atente ao tamanho e peso exigido) e uma mochila como item pessoal.

14. Seguro Viagem

Vale a pena fazer seguro viagem? Vale sim, para nós é essencial. Além disso, muitos países exigem que o viajante tenha seguro para liberar o visto. Alguns cartões de crédito trabalham com seguro viagem quando a compra da passagem é efetuada pelo cartão, procure saber se você é elegível, mas fique atento as coberturas.

Recomendamos o Seguros Promo para comparar diferentes seguros de viagem e escolher o que for mais adequado para você.

Se quiser saber mais sobre seguro viagem, leia aqui.

15. Aplicativos de viagem

Aplicativo é o que não falta. Se ainda não existe, tenho certeza que já está sendo desenvolvido. Por outro lado, com tantas opções fica difícil saber qual aplicativo usar. Para planejar uma viagem, eu sugiro testar alguns aplicativos e organizá-los por categoria. Confira abaixo alguns exemplos:

  • Acomodação: Booking.com, Agoda, Hostelworld, Airbnb, Hotel Tonight, Couchsurfing;
  • Passagem aérea: Skyscanner, Momondo, Hopper;
  • Transporte: Uber, Cabify, Blablacar, Grab, Eurail, Wanderu, Citymapper;
  • Financeiro: XE Currency, Transferwise, Travel spend;
  • Mapas: Google Maps, Maps.me;
  • Cloud: Google Drive, Evernote;
  • Tradutores: Google Translate;
  • Restaurantes: Zomato;

Estes são alguns exemplos de apps de viagem que gostamos de utilizar, mas a lista é imensa e por isso é sempre bom pesquisar e testar um pouco antes de viajar.

16. Simcard

Falamos muito sobre utilizar plataformas de nuvem, aplicativos, mapas, mas tudo pode ficar um pouco limitado se você depender somente de wifi. Se quiser mais independência, compre um chip local para ter acesso à internet. Muitos destinos oferecem planos para turistas com validade de até 1 mês com preços justos.

Se possível, evite comprar no aeroporto pois pagará mais caro pelo chip.

17. Documentos essenciais

Mesmo com todos os seus documentos digitalizados na nuvem é importante manter algumas cópias físicas ou com acesso offline no celular, principalmente as necessárias para apresentar na entrada do país.

Leve com você uma cópia do seguro viagem, reserva do hotel dos primeiros dias ou carta convite, passaporte e passagem de volta.

18. Saúde e Vacina

Pesquise se o país que planeja viajar exige alguma vacina.

Quando fizemos nossa viagem de longo prazo para o Sudeste Asiático, visitamos um centro de saúde do viajante, no caso o Ambulatório do Viajante no Hospital da Clínicas na cidade de São Paulo. O serviço é público, o atendimento foi excelente e de lá conseguimos muitas dicas e todas as vacinas que precisávamos, tudo recomendado por um médico.

19. Reserva de Passeios

Pesquise se existe um walking tour na cidade e inclua em sua agenda. O walking tour é a melhor maneira de conhecer a cidade logo no começo. Vai te ajudar a se situar, pegar dicas e conhecer outras pessoas. Muitas vezes os tours são conduzidos em Inglês ou Espanhol.

Hoje em dia existem muitos recursos para encontrar passeios guiados e experiências locais como por exemplo o Get your guide, Viator, Backstreet Academy (na Ásia).

Não deixe de fazer turismo gastronômico, é uma excelente maneira de se integrar com a cultura local e aprender suas nuances através da gastronomia.

Se você busca por experiências gastronômicas leia nosso post com apps e sites para viajantes gastronômicos.

20. Tenha uma agenda flexível

O maior segredo na hora de planejar uma viagem é ter flexibilidade para que ela te surpreenda.

Se engessar demais a agenda, poderá perder muitas oportunidades. Muitas vezes, os momentos mais marcantes são aqueles que não planejamos.

Portanto, planejar uma boa viagem, não significa fazer tudo o que você deseja mas sim tudo o que for possível e com prazer. Pesquise bastante, planeje com eficiência, deixe alguns espaços na agenda e surpreenda-se.


PLANEJE SUA PRÓXIMA VIAGEM

Nota: Alguns links podem ser links afiliados. Se você comprar produtos através deles, nós receberemos uma pequena comissão que apoiará a manutenção do site Food’n Road sem nenhum custo adicional para você.

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments